amor próprio
Reportagens

Amor próprio: o processo e a luta diária

5 de fevereiro de 2018

Por Carol Oréfice e Gabrielli Silva 

Desde pequenas as mulheres são ensinadas que para serem bonitas é necessário que sigam certos padrões – como peso ideal, cabelo perfeito, jeito e gostos “femininos” – impostos pela sociedade. Conforme vão crescendo percebem o quanto é difícil – na verdade impossível – se adequar a esses padrões e acabam se frustrando cada vez mais. Elas são ensinadas a olhar para o espelho e encontrar defeitos, quando na verdade deveriam ser ensinadas a desenvolverem o amor próprio.

Essa pressão traz muitos problemas para a autoestima das mulheres, meninas cada vez mais novas têm problemas com os seus corpos e há mulheres que passam a vida inteira se odiando e tentando se encaixar nesses padrões inalcançáveis.  A estudante de 11 anos, Fernanda Demétrio, reforça como a imagem ‘perfeita’ imposta para as mulheres acaba afetando a autoestima de meninas jovens. “Já ouvi muitas pessoas falarem que não se acham bonitas pelo que os outros falam. Eu mesma era assim, mas com ajuda da minha família me aceitei do jeito que sou e hoje em dia me acho incrível”, afirma.

A árdua tarefa de aguentar essa pressão psicológica acaba resultando em frustrações pessoais. Nem sempre é possível lembrar que a idealização de corpo e beleza padrão estipulada pela mídia é incompatível com a realidade.“Eu já cedi algumas vezes, mas como falei eu não me importo mais com que os outros falam, porém há pessoas que se importam com a opinião dos outros, o que é normal”, acrescenta Fernanda.

E, embora a mídia mais tradicional ainda continue impondo esses padrões, as novas mídias tem possibilitado mudanças, mesmo que mínimas, na maneira em que as pessoas olham para elas mesmas. Para a estudante de medicina Ana Clara Freitas, 19, “com o surgimento do YouTube e de outras redes sociais, houve um empoderamento da população a partir desses novos veículos, que pode ver também em seus ídolos famosos, antes tão inatingíveis, pessoas comuns, que também têm defeitos e ansiedades”.

Patricia Vanuchi, 50, funcionária pública do estado do Mato Grosso do Sul, conta que sempre teve sérios problemas com autoestima e que precisava alimentá-la diariamente até hoje. “Eu não me achava merecedora de boas coisas e de ser feliz, sempre me esforçando para agradar as outras pessoas, eu achava que se as outras pessoas me valorizassem eu teria valor”.

Como se amar mais a cada dia?

 

autoestima
Créditos: Giovana Gomes

A estudante Ana Isabel Sanches, 20, também relata sua experiência com o amor próprio, “é horrível você se olhar no espelho e não gostar de si mesma, tentar se encaixar em padrões e não conseguir, porque cada um é cada um, cada pessoa é uma pessoa, não existe um padrão”. Ela acrescenta que só conseguiu mudar isso quando passou a não se importar tanto com a opinião dos outros, começou a se aceitar mais e ver beleza em si mesma da maneira como ela era.

Comecei a olhar para mim mesma, fiz as pazes com a comida, passei a me acolher com amorosidade e responsabilidade pelas minhas escolhas. Na sequência passei a fazer análise com neuropsicóloga que tem me ajudado muito. Passei a fazer escolhas melhores e mais favoráveis para mim mesma, passei a me valorizar e respeitar os meus limites e valores, e a me posicionar de forma equilibrada a meu favor, enfim fiz as pazes comigo mesma.”.  Há seis anos, a partir do Pro – Eva, Programa de Empoderamento a Vítimas de Abusos, Patricia passou a ver o seu passado e suas crenças de uma maneira diferente.

A forma de melhorar a autoestima e estimular o amor próprio pode começar de forma mais simples, e a partir da prática diária. “Eu me olho no espelho e fico me elogiando, para eu não perder esse amor próprio”, afirma Fernanda Demétrio, de 11 anos. A estudante Ana Clara Freitas complementa que “além de me cuidar e tentar me sentir viva, tento meditar também”.

A psicóloga Giseli Oliveira afirma que o segredo para a autoestima é o autoconhecimento, muitas mulheres têm problema com autoestima porque elas não se conhecem de verdade, elas conhecem aquilo que disseram sobre elas. “A autoestima aparece quando essa mulher descobre quem ela é de verdade, os seus valores, as suas qualidades, as suas características, as suas capacidades e seus talentos, que estão todos guardados e ela nunca teve oportunidade de desabrochar tudo isso, porque desde muito cedo já foram enterrando ela com críticas, abusos e comparações”, completa.

 

SalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvar

SalvarSalvar

Only registered users can comment.

  1. Muito importante o amor próprio ….pois é através do amor que nos amamos e retribuimos amor ao próximo. Parabéns muito bom o texto . Bjs

  2. Muito legal . Importe -se com o q vc acha de si mesma. Ame-se. Respeite-se. Parabéns meninas. Parabéns Carol linda. Vc tem talento garota. Bjossss.

    1. Amar a si mesma é a mais importante forma de demonstrar amor. Ficamos extremamente felizes que tenha gostado, continue acompanhando nosso trabalho por aqui! Beijão, tia.

  3. O texto é a nossa realidade. A mídia, sem dúvida, tem grande influência na cabeça de nossos jovens, infelizmente. É necessário que haja muita conversa entre pais e filhos e destacar a importância da autoestima, cada um tem a sua beleza, sua particularidade., pois aquele que se ama, dificilmente terá dificuldades em relacionamentos futuros e conseguirá com tranquilidade, reconhecer o seu valor.

    1. Infelizmente a mídia acaba cada vez mais influenciando a cabeça de meninas e mulheres em busca de atingir um padrão de ‘perfeição’ que, na realidade, faz-se inexistente. Nós tentamos fazer nossa parte por aqui mostrando que tá tudo bem não se encaixar no que a mídia determina como ‘certo’. Todas nós somos lindas e devemos aprender a nos amarmos. Buscamos cada vez mais incitar essa conversa entre pais e filhos para que esse esteriótipo seja cada vez mais ‘quebrado’.

    1. Oi, Je! Ficamos felizes que você tenha amado. É muito necessário que o amor próprio seja cada vez mais debatido em todos os meios de comunicação. Com a ajuda da mídia e da sociedade, conseguiremos abrir os olhos para enxergar que não há necessidade de seguirmos esses padrões impostos.

  4. Parabéns pela iniciativa, meninas! As vezes, deixamos de lado o amor a nós mesmas por inúmeros motivos e até nos esquecemos do cuidado que devemos ter com cada uma de nós. É sempre bom lembrar que devemos nos amar mais, dar mais valor a nós mesmas.

    1. Obrigada, Elisa! Infelizmente nós acabamos dedicando menos tempo a nós mesmas por conta dessa vida corrida e, consequentemente, esquecemos de nos amarmos em primeiro lugar. É importante trazer assuntos como esse à tona para que, cada vez mais, possamos lembrar que precisamos reservar um tempo para nós, buscando não acreditar naquilo que a mídia impõe como ‘perfeição’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *