Blog | Opinião

O retorno do Criolo Doido no João Rock 2018 O rapper Criolo foi a penúltima atração do festival e levantou a plateia com sucessos

15 de junho de 2018

Um dos shows mais aguardados da noite do dia 09 era o do rapper Criolo. Diretamente do Grajaú, o cantor fez uma apresentação conectadas a suas raízes do início da carreira, em 2006. Com diversas músicas do álbum Ainda Há Tempo (2006) – que teve nove músicas relançadas em 2016 em comemoração aos 10 anos de sua carreira – a plateia foi incendiada com clássicos, muita emoção e muito rap.

Um dos grandes suspenses para os fãs que esperavam o show que começou pontualmente às 23h20min, era se o rapper cantaria as músicas do seu álbum mais recente, Espiral de Ilusão (2017). Isso porque o último álbum saiu dos trilhos do rap e se encontrou nas influências do samba que construíram a história do cantor com a música.

Entretanto, nos 55 minutos de palco, Criolo não cantou uma música sequer do novo disco, reafirmando seu lugar no rap e alegrando os fãs de longa data. Ao cantar os sucessos grajauex, chuva ácida e convoque seu buda, o paulistano fez com que fosse impossível a plateia ficar parada, mas a forte onda de emoções veio com sua faixa mais conhecida, não existe amor em sp. A plateia cantou tão alto e a vibração estava tão incrível que o rapper se emocionou lá em cima. Com a voz embargada, Criolo continuou o show de forma maestral, junto com o convidado DJ DanDan e os beats do DJ Bruno, que foram fundamentais para abrilhantar a noite.

Não houve tanta interação com a plateia por parte do rapper, mas houve sim uma grande energia de resistência, e todas as músicas escolhidas a dedo tinham uma carga pesada de protesto. Temas como racismo, desigualdade social e a situação de corrupção na política brasileira foram alguns dos tópicos abordados, esse último em quase todos os shows da noite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *