São Thomé das Letras - EU TE AMO
Cotidiano

EU TE AMO A experiência de uma turista nas terras místicas de São Thomé das Letras

14 de março de 2019

Por Hanna Queiroz

 

Conectar-se: relação primitiva que move o universo. Conectar-se com outros seres é a base para movimentar forças, absorver energias e viver novas experiências. Quem gosta de viajar provavelmente já ouviu falar sobre a misticidade de São Thomé das Letras, município de 6 mil habitantes localizado ao sul Minas Gerais. Aqui, vou relatar um pedacinho das experiências que tive com os seres que habitam naquele lugar.

Circunstancias inusitadas acontecem o tempo todo. Contudo, se eu te contasse tudo, você não acreditaria. Até mesmo porque transmitir as minhas experiências não é algo possível. Eu estava lá, naquele dia, naquele horário, naquele lugar. Conheci aquelas pessoas, conversei com aquele moço e aquela mulher e nada disso poderia ter acontecido de outra forma. A partir de agora, eu não lido com hipóteses: apenas experiências reais.

A natureza é transcendental. Mágica. Eu consegui deixar todos os meus medos e escorregões (que foram 4 – bem feios) de lado. Fui viver. E não há medo algum nisso.

Desce montanha, sobe montanha, encontramos o lugar perfeito. Seu nome é Paraíso e o que mais se encontram lá são pedras. Pedrinhas, pedronas, coloridas, transparentes, únicas. E a cachoeira, então, um portal de energia: entrada – e, quem sabe, saída – para outras dimensões. Foi lá que me conectei. Com o ar, com a terra que estava sob meus pés, com a água que batia em mim, com os sons da floresta, com a cor verde abundante e, mais tarde, com o sol. Uma cachoeira é tão mágica que, depois de 10 segundos sob sua queda, já se tem o bastante para sentir sua vitalidade.

A terra faz parte de quem eu sou e de onde vim. Ela está em mim, ela me completa. Existem rochas que estão ali há milhares de anos e se formaram dentro de vulcões imensuráveis. Rochas essas que já presenciaram muitos acontecimentos, absorveram todo tipo de energia e têm muita história pra contar. Em apenas um toque, elas me contaram tudo.

Imagens da cachoeira Vale das Borboletas

Inclusive, a cidade é praticamente inteira construída com a pedra “são tomé” (quartzito). Pela cidade é possível ver lindíssimas construções feitas apenas com essa pedra e alguns bambus. Muitos desses lugares mais antigos foram construídos por escravos no século XVIII. Pedra por pedra, uma em cima da outra, desde sua extração até à construção da casa, da igreja, do porão. Nesses lugares, a energia é densa.

De volta ao Paraíso, lá conheci um homem que não se lembra quantos anos tem (imagino que esteja próximo a casa dos 60), magro, barbudo, conversando com alguns, mergulhando de vez em quando. Ele estava todo pintado de uma argila amarela que, no sol, parecia ouro e na cabeça levava uma tiara de flores vivas feita ali mesmo, naquele dia, por ele. Seu nome é Jacu. Tão famoso quanto Ventania – cantor brasileiro hippie, bem influenciado por Raul Seixas -, seu amigo de longa data, esse ser me ensinou coisas inestimáveis. Gostaria de contar tudo, mas a conexão faz parte da experiência. O que posso lhe transmitir é o que sou agora, não o que fui antes e nem o que serei amanhã. Sendo assim, sou incapaz de transmitir o que todas aquelas pessoas me mostraram, principalmente Jacu.

Sentir a conexão me fez compreender que somos todos iguais. Somos todos um só ser, interligados em diferentes níveis e dimensões. Contudo, nós mulheres somos as deusas da natureza – temos o poder energético em nossas mãos, somos capazes de curar feridas, criar vida e atingir picos energéticos muito altos. Nós somos 7 vezes mais poderosas que os homens em todos os âmbitos imagináveis. Mulheres, nosso sangue menstrual e a lua formam o triângulo energético mais poderoso da Terra, capaz de qualquer coisa.

Mas, infelizmente, nos ensinaram tudo errado. A cada dia, nos entupimos de produtos químicos que tiram nosso cheiro natural e dificultam nossa conexão com os universos. Nos ensinaram a nos odiar e, como grave consequência disso, pensamos (e acreditamos) que somos sujas e não nos permitimos sentir. Agora, eu queria tanto que você sentisse: você é uma deusa poderosa. Se eu sinto, acredito. E eu quero tanto que você sinta seu poder agora.

Ao conectar-se, você emana a energia mais poderosa de todas as dimensões do universo: o amor. E sim, nós sentimos amor 7 vezes mais do que os homens. Por isso, somos capazes de criar e transformar com as nossas mãos. Ame, sinta, transmita, cure. Não há medo algum em demonstrar e sentir. Após experienciar essa ligação, você vai ter vontade de abraçar as pessoas, conhecê-las e adentrar nos seus mundos. Quando vir, terá uma casa pra ficar, um lugar pra comer, um presentinho aqui, uma lembrancinha ali, um tabaco para dividir. E uma troca de energia que dinheiro nenhum compra. Expresse seu amor de todas as formas: o amor genuíno, livre, natural e sincero.

Então Jacu, com seu corpo coberto por argila dourada, perguntou-me “alguém já disse que te ama hoje?”. Após minha resposta negativa, olhou no fundo dos meus olhos e, segurando meus ombros, gritou: EU TE AMO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *